topo

Planejar ser mãe

06/05/2021

Há alguns dias eu li um artigo que falava sobre as vantagens de se planejar para ser mãe e confesso, mesmo levantando a bandeira “pense um pouco, planeje e então faça” isso mexeu comigo. Entre as vantagens falava-se em algumas estabilidades na carreira e em outras áreas da vida. Será? Antes de pensar em julgar, tentei lembrar de como foi para mim e como eu lidei com isso, já que é difícil pelo meu perfil e jeito de ser fazer algo sem planejar. 

A partir desse resgate me dei conta que tive sim vontade de planejar o que não teria controle algum e muitas coisas saíram fora (aliás, ficaram bem longe) do esperado. Nesse movimento, mergulhei em tantos assuntos que achava que deveria dominar antes da minha filha nascer. Estudei, ouvi, aprendi muito. Os cursos, as leituras, os grupos de conversa, as consultas com especialistas foram importantes para me dar segurança e por isso compreendo e acolho esse ponto de vista.

Porém, hoje não posso negar que passados os desafios dos primeiros meses de vida da minha filha, que hoje está com 3 anos, algo mudou em mim sobre esse tema, principalmente sobre o significado e uso das palavras “controle” e “planejamento”. Não deixei de acreditar em sua importância ou de seguir ensinando outras mães a lidarem melhor com essas questões no seu dia a dia, mas me sinto mais na turma do “será que eu conto que não é bem assim?”. 

E então surge outro dilema: se não é bem assim, como será? Não tem resposta certa nem errada. Na verdade eu acredito mesmo que é algo que vamos descobrindo. Por isso, quando estou tratando desse assunto com uma futura mãe ou uma mãe que planejou e tudo saiu dos trilhos, o que costumo dizer é “pense, se organize até onde você precisa para se sentir segura (pois muitas de nós podemos precisar disso), mas saiba que mudanças virão e você irá lidar com elas da melhor forma possível”. O que mais gosto disso tudo, ao acompanhar essas mudanças e transformações, é ver que cada mulher tem a sua forma de lidar com esses momentos e que estando aberta, a maternidade ensinará tanto! 

Assim, eu volto ao início do texto onde conto que o artigo que li me deixou um pouco desconfortável e lembro de algo que a maternidade me ensinou: compreender e acolher o jeito de cada uma, torcendo para que cada mãe tenha o espaço e a escolha para maternar da forma como quiser. 

Por Lilian Schwarz, Organizer e mãe da Marina.

Para conhecer mais o trabalho da Lilian é só acessar o instagram @organizacaonamedida

 

postagens anteriores

Precisa produzir leite na gravidez?

18/06/2021

A amamentação acontece só depois que o bebê nasce, certo? Então, seria complicado manobrar uma...

Ler mais

Esse tal de períneo

17/06/2021

Quem está grávida, muito provavelmente, já ouviu falar em períneo! As que desejam um parto vaginal, então,...

Ler mais
Olá, precisando de ajuda? Tire suas dúvidas conosco!