topo

O que é e qual o tratamento para TDHA

31/03/2021

Qual o primeiro relato de criança com o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH)? 

A primeira criança foi descrita com TDAH em 1844 por um psiquiatra alemão, que observou o comportamento de um menino, apelidado de “Philip inquieto” [?] que não conseguia de comportar à mesa 1 única vez apesar da súplica dos pais!

Para descrevê-lo o psiquiatra fez o poema da secunda imagem acima - que explica muito sobre o comportamento dessas crianças! Vamos falar um pouco desse diagnóstico

O que o caracteriza? ->é um padrão persistente de desatenção/hiperatividade/impulsividade

Sua prevalência entre crianças nos EUA é quase 10% (muita coisa! se você pensar são 5 em cada grupinho de 50).

Existe um nítido predomínio no sexo masculino, inclusive nos meninos tende a ser mais grave!

 TDAH existe mesmo? Qual é a sua causa?

- Sabemos que existe um forte componente genético na sua origem: filhos de PAIS com tdah tem uma chance 2 a 8 x maior de ter TDAH!‍‍

Mas só o DNA conta?Segundo os estudos com gêmeos e crianças adotadas, a participação ambiental em sua origem ainda é questionável. Vamos acompanhar os próximos estudos

O que acontece no cérebro TDAH?Os sintomas do tdah são explicados por uma alteração no sistema motivacional e de recompensa: há uma incapacidade em aguardar algo de grande desejo, trocando assim por pequenos ganhos imediatos.

As pesquisas identificam disfunções nos circuitos fronto- estriato- talâmico e mesolímbico cerebrais.

Já foram identificados genes relacionados ao transporte de dopamina que geram comportamentos de busca por novas atividades (mudança de atividade a todo momento!) envolvidos nesse funcionamento cerebral. Ou seja, o Transtorno bem diagnosticado não é “só uma desculpa” para justificar crianças agitadas ou desatentas.️

 Existem subtipos de TDAH?

Sim! Existem 3:

1) predomínio da desatenção

2) predomínio da hiperatividade e impulsividade (o menos comum) 

3) ou subtipo combinado(o mais comum)!

Podem ainda ser classificados como leve/moderado/grave (dependendo do prejuízo que o sintoma causa na sua vida)

As queixas mais comuns nos hiperativos/impulsivos são irritabilidade, teimosia, baixa tolerância à frustração, mudanças rápidas de humor

No subtipo desatento predominam queixas de desorganização e memória ruim

Em ambos é comum problemas no desempenho escolar

Essas crianças porém sao CAPAZES de controlar os sintomas com esforço voluntário ou em atividades de grande interesse!

Atividades mais dinâmicas podem reduzir também os sintomas em relação às mais monótonas (a criança pode passar horas na frente do videogame mas não consegue passar de alguns minutos na frente de um livro!)

Um pouco sobre o tratamento para o TDAH – existe cura?

Difícil falar em CURA. Por quê?

Os estudos mostram que, quando se tornam adultos, 65% das crianças com TDAH tem remissão parcial, ou seja, melhoram mas mantêm alguns sintomas.

Mas até 15% podem manter todos os sintomas na vida adulta! 

Mas então porque tratar? -> o TDAH aumenta as chances na vida adulta de desemprego, brigas, rejeição, uso de álcool e drogas! 

E o tratamento precisa mesmo de remédio? Na grande maioria das vezes SIM! Os estudos mostram que não houve diferença entre crianças tratadas só com medicação ou medicação + terapia. Então por enquanto o tratamento é baseado mesmo em medicação.

Qual? -> Psicoestimulantes. No Brasil os aprovados são metilfenidato (Ritalina) e Lisdexanfetamina (venvanse). Outras classes de medicamentos controlados podem ser usados caso os psicoestimulantes sejam contra indicados. 

ESSAS medicações SÓ devem ser usadas se prescritas e orientadas pelo médico. O uso indiscriminado (para estudar para provas por exemplo em pessoas sem TDAH) pode trazer efeitos adversos indesejados. 

E a psicoterapia? Pode ajudar no controle dos sintomas, além disso ajuda o paciente a se organizar e se conhecer, prevenindo e ajudando a tratar outros sintomas concomitantes como ansiedade.

O que você precisa saber sobre os medicamentos para TDAH?

Os medicamentos de primeira linha para seu tratamento são os psicoestimulantes

No Brasil, 2 categorias são aprovadas: os derivados de metilfenidato e os derivados da anfetamina

Podem ser usados na pediatria dependendo da idade

Seu uso deve ser prescrito pelo médico em receita especial

Seu tempo de efeito depende da formulação escolhida (podendo durar de 4 a 12h) 

Dentre os efeitos adversos estão dor de cabeça, falta de apetite e insônia (por isso não deve ser tomado à noite!)

Pode piorar outros transtornos como Tiques

Seu uso não causa vício - mas CUIDADO com o uso sem indicação médica! 

O mercado negro de venda desses medicamentos cresceu ->  O documentário Take your Pills mostra o uso indiscriminado do psicoestimulante Adderall nos EUA.

Portanto, fiquem atentas à indicação correta do uso da medicação para adolescentes e adultos jovens!

Por Luiza Sotero, Neuropediatra. Para conhecer mais o trabalho da Luiza acesse o instagram @luizasoteroneuropediatra.

postagens anteriores

O que é poda neuronal e sua relação com o autismo

15/04/2021

Nosso cérebro passa por momentos de “morte” programada e previsível de neurônios a cada semestre ou ano nos...

Ler mais

Saltos de desenvolvimento

14/04/2021

São marcos no desenvolvimento do bebê que podem causar uma ansiedade deixando o bebê mais agitado, irritado, choroso, apegado...

Ler mais
Olá, precisando de ajuda? Tire suas dúvidas conosco!